Categorized | News

Esqueleto achado no naufrágio de Antikythera

1474319685802

Enterrado sob a areia e entre fragmentos de cerâmica antiga, os pesquisadores descobriram os restos de um marinheiro que morreu 2.000 anos atrás no “navio Antikythera.”

Os arqueólogos têm investigado o famoso naufrágio em uma pequena ilha grega há mais de um século, revelando a cada dia um tesouro em artefatos notáveis. Incluindo o famoso “Mecanismo de Antikythera, pensado ser um “guia das galáxias.”

Agora, esta última conquista poderá permitir que os pesquisadores possam conduzir uma análise de DNA sem precedentes nos ossos humanos que sobreviveram durante milhares de anos no fundo do mar, proporcionando um novo olhar sobre a vida no século I aC.

o crânio parcial, incluindo três dentes

o crânio parcial, incluindo três dentes

Arqueólogos dizem que o navio afundou as margens da ilha grega de Antikythera no Mar Egeu em torno de 65 aC.

Pode ter sido um navio de negócios, de carga, ou até ser um transportador de grãos.

Os destroços foram descobertos em 1900 por pescadores gregos de esponjas, e é o maior naufrágio já encontrado.

As escavações ao longo do século passado levaram à recuperação de mais de 300 objetos, incluindo o Mecanismo de Antikythera e os restos mortais de passageiros e tripulantes.

3895da4c00000578-0-image-a-53_1474312532738

A descoberta mais recente marca a primeira vez que pesquisadores descobriram um esqueleto humano em um local de naufrágio na era da análise de DNA.

Isso significa que eles podem ser capazes de identificar a etnia e origem geográfica da vítima.

Pesquisadores do Ministério grego da Cultura e do Desporto de Woods Hole Oceanographic Institution (WHOI), encontraram um crânio humano, incluindo uma mandíbula e dentes, juntamente com os ossos dos braços, pernas, costelas e outros restos em 31 de Agosto, de 2016.

3895c77100000578-0-image-a-55_1474312538385

E, dizem que outras partes do esqueleto ainda estão enterradas no fundo do mar.

‘Com o naufrágio do Antikythera, agora podemos nos conectar diretamente com essa pessoa que navegou e morreu a bordo do navio.’

Pensa-se que a destruição do navio grego ocorreu por volta de 65 aC, no Mar Egeu, e apesar de estar a milhares de anos abaixo da superfície, muitos dos ossos ainda estão quase intactos.

esqueleto-nafragio

“Contra todas as probabilidades, os ossos sobreviveram mais de 2000 anos no fundo do mar e eles parecem estar em bom estado, o que é incrível,” disse o Dr. Hannes Schroeder, especialista DNA antigo no Museu de História Natural da Dinamarca em Copenhagen.

3520f64100000578-3635336-image-a-20_1465567973686

Os arqueólogos também descobriram uma sonda, um objeto de chumbo grosso em forma de sino pesando 50 kg.

“Este humilde instrumento era de vital importância para a navegação segura na Antiguidade”, disse um comunicado do Ministério da Cultura.

Modelos precisos em 3D de cada artefato, incluindo os ossos, estão agora disponíveis para os pesquisadores e para o público sobre o projeto Antikythera.

3895c76c00000578-0-image-a-54_1474312536057

Durante um século, desde a sua descoberta em um velho navio naufragado, a função exata do “Mecanismo de Antikythera” é impossível de se decifrar, porque só pequenas partes do seu texto foram decifrados.

Das poucas palavras entendidas no fragmento torcido e corroído de engrenagens de bronze e placas, os especialistas adivinharam que a relíquia era um instrumento astronômico.

48000-49

Depois de esforços de mais de uma década, utilizando equipamentos de digitalização de ponta, uma equipe internacional de cientistas já leu cerca de 3.500 caracteres de texto explicativo.

Dizem que era uma espécie de guia filósofo da galáxia, e talvez o mais antigo computador mecânico do mundo.

Leave a Reply

Receba avisos de novas edições:

Nome
e-mail
Receber e-mail? receber
UPG

Google +